O último dos canalhas - Loretta Chase

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

O devasso Vere Mallory, duque de Ainswood, está pronto para sua próxima conquista e já escolheu o alvo: a jornalista Lydia Grenville. Só que desta vez, além de seduzir uma bela mulher, ele deseja também se vingar dela. Ao se envolver numa discussão numa taverna, Vere foi nocauteado por Lydia e se tornou alvo de chacota de toda a sociedade. Agora ele quer dar o troco manchando a reputação da moça. Mas Lydia não está interessada em romance, principalmente com um homem pervertido feito Mallory. Em seus artigos, ela ataca nobres insensatos como ele, a quem considera a principal causa dos problemas sociais. Nesse duelo de vontades, Vere e Lydia se esforçam para provocar a derrota mais humilhante ao mesmo tempo que lutam contra a atração que o adversário lhe desperta. E, nessa divertida batalha de sedução e malícia, resta saber quem será o primeiro a ceder à tentação.
Vere Mallory era uma canalha de sangue, corpo e alma. Ele nunca se importou com nada, levando uma vida na fanfarra, mulheres e bebedeiras. Ele não tinha compromissos com títulos de nobreza, súditos, dependentes, nada. Até que, como já vinha acontecendo com frequência nos últimos dez anos, ele se vê obrigada a assumir uma responsabilidade inesperada. Ainda assim, ele não se deixou abater pelas responsabilidades impostas pelo ducado que recebeu, nem mesmo pelas tuteladas. Sua vida era simplesmente viver de bordel em bordel até ao amanhecer quando retornava para casa, trôpego de tão bêbado. Um desgosto até mesmo para seu secretário, que o repreendia como a uma criança, e ele fazia ouvidos mouros. Mas quando ele conheceu a jornalista e escrevinhadora Lydia Grenville, não houve faíscas... Houve foram jatos de larva incandescente, e olha que neste primeiro encontro, só rolou tapas e farpas, de ambos os lados. Lydia era uma mulher totalmente fora dos padrões de comportamento para uma mulher de seu tempo. Criada por tios, ela esconde um passado sofrido. Aprendeu a viver a vida com coragem, lutando contra as injustiças, denunciando maltrato e a violência imposta às jovens que chegam perdidas à cidade. Ela não teme as retaliações que possa sofrer ao se disfarçar de todos os tipos possíveis para se infiltrar nos ambientes mais sórdidos e busca da verdade. Mas o seu mundo saiu de prumo quando ela um dia trombou com o Vere, rei da esbornia. Principalmente quando ele ousou beijá-la.
Essa era a incongruência mais louca: conectar a palavra timidez com uma mulher que dirigia uma carruagem loucamente pelas ruas de Londres, como se estivesse no Coliseu e fosse a condutora campeã de bigas. Tímida aquela mulher que escalava casas, saltava em cima de um homem num beco escuro brandindo a bengala com a precisão e a força de um atleta profissional.
Tímida, ela.
Virgem, ela.
Isso era ridículo, insano. (Pág.115)
Este romance tem a dose certa de humor e romance. O casal vive em disputa acirrada por qualquer assunto que os cerque. Tudo é motivo de rixa, discussões e um hilário acerto de contas. Lydia não leva desaforo para casa, e com Vere, sempre há uma disputa para saber de quem será a última palavra. Vere era um fanfarrão, mas tinha sua dose de generosidade que fazia questão de esconder. Para ele, o melhor era que todos acreditassem que ele não passava de um duque irresponsável. Mas Lydia não se deixa enganar, e fica cada vez mais curiosa sobre os motivos que o fazem esconder um coração puro e amoroso. Um lindo romance que adorei ler e reencontrar o doce Belzebu e sua Jéssica. 


Chase, Loretta. O último dos canalhas. São Paulo: Arqueiro, 2015.

Comentários:

Postar um comentário

Enquanto isso no skoob

Posts Recentes

  © TESOURO LITERÁRIO - Todos os Direitos Reservados