Escravos do ouro - Eurípedes Kühl pelo espírito Van der Goehen

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Severo Cantilhão era um próspero fabricante de vinhos na cidade do Porto, em Portugal, no século XVIII. Ao lado da esposa Antônia e dos filhos Henrique, Carlota e Julialva, vivia uma vida tranquila e cercada de amigos influentes da nobreza de Lisboa. Contudo, uma informação sigilosa vinda da colônia mudaria completamente os planos de Severo: descobriram ouro do Brasil!...Muito ouro! O pacato proprietário de vinhedo passa a ser movido por um único sentimento: a ambição. Decide mudar de rumo, ir para o Brasil-colônia buscar ouro, acumular riquezas e fazer fortuna. Utilizando-se das influências políticas, viaja para o Brasil com a função de Procurador Real. Começa, então, uma história que Severo Cantilhão jamais esqueceria. Em terras brasileiras, entra em contato com o espanhol Mendonza e com um personagem de fundamental importância para a descoberta do ouro: o escravo Tangegê. O enredo no Brasil-colônia ganha novo contorno. Entram em cena a presença do plano espiritual no auxílio aos personagens cegos pela cobiça e a busca de liberdade por homens escravizados pelo domínio da força. Um romance que retrata o início do ciclo da mineração no Brasil, no qual o espírito Van der Goehen nos oferece novos ensinamentos espirituais sobre um tema ainda atual em todo o mundo: a libertação dos escravos do ouro.
Severo Cantilhão é um português proprietário de uma Quinta, mas que há tempos se encontrava insatisfeito e almejando novos projetos. Ciente dos rumores de que na colônia portuguesa denominada Brasil estava se encontrando ouro, ele mais do que depressa deu um jeito de ser nomeado intendente, pessoa de confiança do Rei com o objetivo de fiscalizar a cobrança de impostos e aumentar a arrecadação naquela colônia. Cheio de soberba, ele chega ao Brasil como se fosse o próprio rei, e passa a distribuir ordens e criar leis que beneficiem a coroa portuguesa e aos seus interesses próprios. Em um golpe de sorte, em uma de suas diligências Severo descobre o segredo de Mendonza, um espanhol que há muito ali se encontrava e com o auxílio de Tangegê, um escravo alforriado de coração puro, já extraía verdadeiro tesouro em pepitas de ouro das terras hoje conhecidas como Ouro Preto das Minas Gerais. Severo e Mendonza acabam por selar um acordo que visa apenas atender os próprios interesses de ganância, e somente uma parte era realmente destinada ao império português. Mas como a cobiça e a ambição era e ainda é um dos maiores males da humanidade, logo a descoberta do ouro passa a correr o mundo. Grandes perigos passam a rondá-los, e tanto Severo quando Mendonza continuava por defender apenas os próprios interesses. Dentre os que viviam nesta dura vida extratora, poucos eram aqueles que não se deixavam deslumbrar pela promessa de riqueza fácil, dentre eles Tangegê e Zangigi, ambos escravos trazidos da distante África, de muita simplicidade e grande sabedoria sobre a colheita  que seria originada por tanto ambição e cobiça.
Tão estridente é o som do ouro na mente daqueles que sofregamente o buscam, oi dos poucos que o detêm, que uns e outros, desprezando-lhe a voz que recomenda emprego  humanitário, quedam-se também surdos à voz da consciência. E, tal surdez, sempre deságua em tristezas, maiores ou menores, quando não, em tragédias. (Pág.152)
Mesmo em se tratando de fatos acontecidos duzentos anos após a descoberta do Brasil, os sentimentos narrados serão sempre assunto atual. Ambição, soberba e ganância sempre existirão, se não for por ouro, será por qualquer outro objeto ou condição que seja interpretado como meios de poder. Mas o pior são os estragos que acontecem na vida daqueles que se acham acima do bem e do mal para alcançar vis objetivos, somente com objetivo de poder e enriquecimento ilícito sem pensar naqueles menos favorecidos e que necessitam de amparo. Felizes aqueles que reconhecem que sozinhos não chegarão a lugar algum. Uma lição de amor ao próximo e humildade.

Kühl, Eurípedes. Escravos do ouro. São Paulo, Lumen Editorial: 1.999.



Comentários:

Postar um comentário

Enquanto isso no skoob

Posts Recentes

  © TESOURO LITERÁRIO - Todos os Direitos Reservados