O Dom - James Petterson

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Os irmãos Allgood nunca desistem de lutar contra os poderes autoritários e desumanos d’O Único Que É O Único, mas, agora, eles estão sem Margô — a jovem e atrevida revolucionária; sem Célia — o grande amor de Whit; e sem seus pais — que provavelmente estão mortos... Então, em uma tentativa de esquecer suas tristes lembranças e, ao mesmo tempo, continuar seu trabalho revolucionário, os irmãos vão parar em um concerto de rock organizado pela Resistência onde os caminhos de Wisty e de um jovem roqueiro vão se cruzar. Afinal, Wisty poderá encontrar algo que lhe ofereça alguma alegria em meio a tanta aflição, quem sabe o seu verdadeiro amor... Mas, quando se trata destes irmãos, nada costuma ser muito simples e tudo pode sofrer uma reviravolta grave, do tipo que pode comprometer suas vidas. Enquanto passam por perdas e ganhos, O Único Que É O Único continua fazendo uso de todos os seus poderes, inclusive do poder do gelo e da neve, para conquistar o dom de Wisty... Ou para, finalmente, matá-la.

Wisty e With estão mais uma vez lutando contra o domínio do Único. A batalha tem se tornado cada vez mais difícil, pois os poderes do Único têm se mostrado insuperáveis. Eles mal têm tempo de recuperar o fôlego para já estarem lutando contra um novo ataque. Eles perderem uma grande aliada e amiga, Margô e ainda Célia, a amada de Whit que não se conforma com sua perda. A resistência formada por eles e seus amigos têm sofrido muitas perdas, mas ainda encontram forças para lutar com tantas adversidades. Wisty é a maior perseguida pelo Único e não consegue compreender esta fixação deste lunático. Eles só desejam ter paz e encontrar seus pais, mas está cada vez mais difícil. E para completar, desde que ela transformou Byron em um fuinha, ele não larga mais de seu pé, tornando-se um chiclete grudento e aumentando ainda mais sua antipatia. Ela também fica conhecendo a Sra. Highsmith, uma bruxa muito doida e amiga de seus pais que passa algumas dicas meio confusas, mas de grande valia. Sem querer, Wisty acaba sendo promovida a líder da resistência, aumentando então não só a perseguição do Único, quanto os perigos que os cercam, já que seus poderes têm aumentado a cada dia, mesmo que em alguns momentos eles a deixam na mão.
Por alguns minutos, nos permitimos ser crianças de novo. Irmão e irmã apostando corrida ao longo dos trilhos do trem. Fingindo que uma de suas melhores amigas não acabou de ser assassinada e que não estão fugindo de metade do mundo.
Este segundo livro da Série Bruxos e Bruxas ainda não foi o suficiente para me despertar uma curiosidade ou mesmo animação. Continua tendo os mesmos problemas do anterior: os personagens descobrem seus “talentos” sem nenhum treino ou referência, simplesmente do nada. Talvez não sejam problemas, mas são pontos que considero fracos, que não me despertaram nenhum outro sentimento que não fosse de enfado. Entendo que possa ser a temática muito, muito juvenil, o que não tira o mérito de conquistar o seu público alvo. É uma leitura ágil com um vocabulário fácil, portanto para a galerinha que gosta do tema de bruxos, não tem desculpas para não ler.

Patterson, James. O Dom: Bruxos e Bruxas. Ribeirão Preto, SP. Editora Novo Conceito.

Comentários:

Postar um comentário

Enquanto isso no skoob

Posts Recentes

  © TESOURO LITERÁRIO - Todos os Direitos Reservados